5 de abril de 2016

Resenha: O Bangalô

Título Original: The Bungalow
Autor: Sarah Jio
Editora: Novo Conceito
ISBN: 978-85-8163-803-4
Ano: 2015
Páginas: 320
Avaliação: ★★★
Sinopse: Verão de 1942. Anne tem tudo o que uma garota de sua idade almeja: família e noivo bem-sucedidos. No entanto, ela não se sente feliz com o rumo que sua vida está tomando. Recém-formada em enfermagem e vivendo em um mundo devastado pelos horrores da Segunda Guerra Mundial, Anne, juntamente com sua melhor amiga, decide se alistar para servir seu país como enfermeira em Bora Bora.  Lá ela se depara com outra realidade, uma vida simples e responsabilidades que não estava acostumada. Mas, também, conhece o verdadeiro amor nos braços de Westry, um soldado sensível e carinhoso. O esconderijo de amor de Anne e Westry é um bangalô abandonado, e eles vivem os melhores momentos de suas vidas... Até testemunharem um assassinato brutal nos arredores do bangalô que mudará o rumo desta história.


 Anne Calloway é uma senhora de idade, vivida e um tanto satisfeita com sua vida. Sua neta Jennifer é um dos seus tesouros e orgulhos a ser deixado. Mas para que essa história exista, Anne precisou voltar ao tempo. Depois de receber uma carta de Bora Bora pedindo que ela retorne aquela ilha, suas memórias preenchem sua mente e coração e então ela decide abrir-se com sua neta.

 Anne era uma moça dedicada, feliz e comprometida com o jovem, rico, bem sucedido e apaixonado Gerard. Porém em seu interior um vazio a preenchia, algo inexplicável que só ela poderia entender. Quando sua melhor amiga Kitty decide voluntariar-se para ser enfermeira de guerra, interrompendo por um tempo seu noivado, já que ela precisou partir para Bora Bora.

 Foi naquele âmbito terrível que ela redescobriu a vida: As atrocidades da guerra, a ambição do ser humano e, claro, um novo amor: Westry. Diferentemente da maioria dos brutamontes que ali estão, Westry demonstra-se uma pessoa sensível e a paixão é reciproca. Foi na praia de Bora Bora, num lugar isolado de todos, que Anne e Westry descobriram um bangalô e fizeram dali seu porto seguro... até um assassinato ser presenciado por ambos e por um ponto de interrogação no futuro deles.

"A paixão acaba mas o amor perdura."
Página 103

 O Bangalô é um livro sensível no ponto de vista romântico e não dramático. Num período tenso e pesado da história, Sarah Jio decidiu não se apegar tanto ao caos do momento e fez da Segunda Guerra Mundial um plano de fundo para sua trama, o que me incomodou um tanto.

 Os personagens são distintos e, em sua maioria, ou você ama, ou você detesta. Exemplos práticos disso são Anne, Westry e Gerard, personagens que possuem valor e peso na obra (ainda que uns mais que outros), sem deixar-se influenciar diretamente pelo horror da guerra. O contrário de Kitty e o coronel Donahue, personagens que me irritaram na maioria do tempo.


 O grande problema da história em si foi a falta de intensidade. Como já havia citado, a guerra como plano de fundo apenas não foi uma atitude tão acertada da autora, em meu ponto de vista. Ainda que a forma que a história é contata (quase um flash back) tenha agradado, a conclusão foi outro ponto baixo não convenceu nem um pouco.

 De fato, O Bangalô possui uma leitura agradável e fluida, se lido sem compromisso e grandes expectativas. Uma experiencia diferente de leitura para mim, que de certa forma, valeu a pena. Uma boa pedida para quem curte dramas com aura de romance. 

6 comentários:

  1. Olá!
    Acho a capa desse livro tão linda. Passa um enorme ar de tranquilidade. Mas pela sua resenha infelismente não é o meu tipo de livro :(
    Bjs

    EntreLinhas Fantásticas - MEGA SORTEIO DE ANIVERSÁRIO! LANÇAMENTO STEPHEN KING + TIMOTHY ZAHN E RENATA VENTURA AUTOGRAFADOS!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também curto a capa. Que pena, talvez você gostasse.

      Excluir
  2. Fala Carlos, tudo beleza?
    Estou com dois livros da Sarah Jio para ler aqui, este e Neve na Primavera. Mas este já me chamou atenção por trazer a guerra como pano de fundo, são um dos meu cenários favoritos em livros.

    Lucas - Carpe Liber
    http://livrosecontos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas foi exatamente isso que me incomodou: A guerra apenas como pano de fundo. Lê e diz o que achou!

      Excluir
  3. Olá, Carlos! Tudo bem?

    Gostei do seu ponto de vista. Já li um livro da Sarah e gostei bastante. Tô para ler, O Bangalô e criar meu próprio ponto de vista. Mas referente ao seu ponto de vista, eu acredito que o foco da história é realmente o romance, por isso não há tanta detalhes sobre a guerra. A guerra só serviu como um obstaculo para o relacionamento entre os personagens, mas a história foca mesmo é no amor.

    Uma ótima semana. Até mais.
    http://realidadecaotica.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É realmente esse o sentimento depois que assisti. Só você conferindo mesmo para formar sua opinião.

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...