30 de janeiro de 2016

Resenha: A Biografia de Lionel Messi

Título Original: Messi: El chico que siempre llegaba tarde
Editora: Generale
Autor: Leonardo Faccio
ISBN: 978-85-63993-46-5
Ano: 2013
Páginas: 160
Avaliação: ★★★
Sinopse: Neste livro, o autor não apenas registra a biografia de uma celebridade enigmática, mas faz também uma reflexão sobre um gênio atlético, com base em entrevistas com o jogador, com membros de sua família e com pessoas próximas, incluindo colegas, amigos de infância e até mesmo seu açougueiro favorito. Agora os fãs de futebol que gostam de assistir Messi ganhar vida no campo, vão se surpreender ao vê-lo ganhar vida nestas páginas.



 Lionel Messi é para muitos o maior jogador de futebol de todos os tempos, superando até mesmo o seu anfitrião, Maradona e o Rei desse esporte, Pelé, algo que discordo mas não vem ao caso.

 No livro conhecemos todo sofrido processo do tratamento, com injeções caríssimas, contra um problema hormonal que impedia o desenvolvimento ósseo e o crescimento do "Pulga" (como era chamado, pelo seu tamanho), sua infância tímida, sua vida reservada e simples, algo que ainda se faz presente na vida atleta.

"Enquanto para outros jogadores não há nada mais motivador do que posar diante dos flashes, o garoto que deixa os comentarista esportivos sem palavras fica mais alegre ao receber uma mensagem pelo telefone do que ser a estrela de um videoclipe."
Página 42

 O livro é dividido em 3 partes bem definidas: 2009, 2010 e 2011. Para quem não sabe, esses foram os anos dos três primeiros títulos de Melhor Jogador do Mundo que Lionel Messi ganhou, depois de ter batido na trave duas vezes seguidas (e viria ganhar mais outras duas vezes em 2012 e 2015, até então).

 A narrativa do livro é diferente e você sente o impacto logo de cara. Diferentemente do comum, o autor desenvolve uma narrativa jornalistica, abordando como "flashbacks" a trajetória do jogador até o seu estrelato. A obra transcreve inicialmente uma entrevista do jornalista com o jogador em 2008, aquela que seria a impulsora do desenvolvimento da biografia.

 Ainda que seja denominada biografia, acho um tanto curta e sem grandes detalhes para ser chamada como tal. Há sim a abordagem histórica do jogador, sua trajetória e sua redenção, porém não é necessariamente um "diário de bordo".

"Um Messi fora do jogo pode transformar tédio em depressão, e não seria só para ele. As páginas de esporte se tornariam cinzas, enquanto os bares e escritórios diminuiriam as exclamações."
Página 37

 O livro foi publicado oficialmente em 2011 (2013, no Brasil) e por isso ainda há muita história sobre Messi a ser contada, como as outras duas Bolas de Ouro de melhor jogador do mundo que ele ainda viria conquistar, o nascimento de seus filhos, seu casamento, etc.

 De fato não é uma biografia completa, porém é uma obra bem estruturada, de leitura rápida e muito interessante tanto pra quem é fã de carteirinha do jogador quanto pra quem aprecia o esporte.

25 de janeiro de 2016

Resenha: Star Wars - O Caminho Jedi

Subtítulo: Um Manual Para Estudantes da Força
Título Original: Star Wars: The Jedi Path
Editora: Bertrand Brasil (Editorial Record)
Autor: Daniel Wallace
ISBN: 978-85-286-1780-1
Ano: 2014
Páginas: 160
Avaliação: ★★★★
Sinopse: Que a saga Star Wars é um dos maiores fenômenos de todos os tempos não é novidade. Que os personagens são mania mundial, também não. Para apimentar mais essa febre e satisfazer um desejo antigo dos fãs, chega às livrarias O Caminho Jedi, manual de treinamento da Ordem. O livro funciona como um almanaque dos guardiões da paz nas galáxias. Nele são apresentados os maiores mestres, a história dos clãs, os armamentos, o vestuário, os golpes de lutas, entre outros. Em O Caminho Jedi, o leitor vai desvendar os segredos e partilhar do conhecimento passado de geração para geração – aprendendo, inclusive, as nuances do combate de sabre de luz e a hierarquia Jedi. Além disso, conhecerá novos personagens, novas criaturas e novas naves. Passado de mão em mão de Mestre para Padawan, de Yoda e Obi-Wan Kenobi para Anakin e Luke Skywalker, este exemplar recebeu as anotações de cada Jedi que tocou e estudou suas páginas — adicionando suas experiências pessoais e as lições aprendidas.

 Que a Força esteja com você! Em mais um dos grandes manuais que aborda as mais diversas "doutrinas" e organizações em Star Wars, Daniel Wallace agora nos apresenta o lado dos Jedi. Quem quiser conhecer os outros manuais já postados aqui no blog, confira a resenha do Manual do Império e O Código do Caçador de Recompensa.

 O Caminho Jedi aborda desde a história da ordem Jedi à forma em que a politica deles são organizadas. Detalha cada uma das etapas do processo de construção de um deles, desde seu período em que ele é apenas um iniciado até quando se tornar um mestre (ou um grande-mestre, como no caso de Yoda) Jedi.

 Assim como os outros livros/manuais desenvolvidos por Daniel Wallace, O Caminho Jedi também trás consigo a ideia de algo real, algo concreto, que foi passado de mão em mão por cada um dos grandes Jedis presentes no universo de Star Wars, como Yoda, Obi-Wan Kenobi, Luke e Anakin Skywalker e até mesmo Darth Sidious (Palpatine). 

Personagens que comentam no livro.

 Isso é visível pelas anotações de cada um deles nas paginas do manual, como se fossem anotações para não esquecer ou que merecessem uma menção. Alias, é por esses comentários que fica claro a época de "vivencia" histórica de cada um ali presente.
Créditos: Experimento 42

 A edição também é algo louvável, desde sua capa ao conteúdo gráfico e textual, deixando o universo expandido de Star Wars ainda mais magnifico e detalhado.

 O grande "problema" desse volume em relação aos outros é que este se apegou bem mais ao conteúdo histórico do que um manual em si, até por uma necessidade de se explicar o porque disso ou daquilo. Porém, nada que possa incomodar ou tornar o livro chato.


 O Caminho Jedi é definitivamente uma obra para quem já está englobado a Star Wars e já conhece um pouco da trama. Não esperem sair expert no tema apenas com esse livro pois não irá conseguir extrair informações suficientes para isso. Ótimo manual mas não tão bacana (na minha opinião) quanto os outros dois já resenhados aqui. Entretanto, fica a indicação para quem quiser conferir. 

 

20 de janeiro de 2016

HQ: Terapia, Volume 1

Autores: Bob Gordon, Marina Kurcis, Mario Cau
Editora: Novo Século
Páginas: 144
Ano: 2013
ISBN: 978-85-428-0120-0
Avaliação: ★★★★★❤️
Sinopse: Da bem-sucedida web-comic para as páginas de quadrinhos. Terapia é a história de um garoto que, mesmo tendo uma vida normal, não se sente feliz. E, o fato de não identificar o motivo de sua angústia, o leva a se afogar em um infinito de questões. Contudo, na sala de seu terapeuta, passa a explorar seu presente, suas inseguranças, mergulhando fundo em recordações nebulosas, pela busca do eu. Enquanto constrói e desconstrói tudo o que sente, vive e deseja, refugia-se em velhas canções de blues – visualmente bem expressadas nesta instigante HQ –, cujas letras empoeiradas parecem explicar o mundo (e a si mesmo) de forma muito mais satisfatória. 

É quando você menos espera que surgem grandes histórias em sua vida, e essa é uma delas. 

Terapia aborda aspectos sociais e emocionais de um jovem em uma fase em que os seus conflitos interiores estão aflorados. Apesar de ter uma vida aparentemente realizada e tranquila, ele está imerso num mundo de duvidas e incertezas.

 Devido a isso (e alguns outros fatores que que descobriremos com o passar da história), ele faz tratamento (se é que posso usar essa palavra, nessa caso) com um psicologo que, além de ser sua válvula de escape, serve também de base para expor toda sua angustia e frustração.

 Supreendente! Esse é o primeiro ponto a ressaltar do quadrinho. A história é intensa e nos transporta para um mundo duro e muito real. Inevitavelmente me identifiquei e muito com o personagem principal, pois em vários momentos me vi com dilemas totalmente iguais ao mesmo.

 

 A simplicidade e a veracidade da história encanta os olhos. Não bastasse isso, as metáforas entre imagens e texto é sensacional, como o clima geralmente chuvoso, a crucificação do garoto, o sonho em preto e branco... Enfim, só aspectos que torna a HQ ainda mais bela.

 Evidentemente que a HQ cairia no meu gosto e, consequentemente, já quero o segundo volume. Muito indicado a todos que buscam uma história forte e realista. Conheçam a HQ no site Petisco

  

19 de janeiro de 2016

Parceria: Rubia Dias

 Que o cenário literário nacional atual vem uma crescente não é novidade. Muitas apostas e surpresas surgindo e essa é mais uma história que pode sim integrar essa categoria. E, por isso, venho anunciar hoje a mais nova parceria do Cantina do Livro: A autora Rubia (Ruh) Dias e o seu mais novo livro, Os Três Encontros. Conheçam-os:

:::  Sobre a autora
 Nascida e criada em São Paulo, Rubia Dias começou a escrever pequenos contos e crônicas aos dezesseis anos. Aos dezessete, entrou para a faculdade de Psicologia e, aos 22, formada psicologa, começou a escrever romances e ficção. Mantem um blog onde escreve textos próprios e também sobre literatura, que é seu mundo particular e refugio. Atualmente, com trinta anos, busca seu sonho de tornar-se escritora.


16 de janeiro de 2016

Adaptações literárias que estrearão nos cinemas em 2016


 Inicio de 2016 e uma agenda recheada de boas promessas pro cinema no ano. De clássicos dos quadrinhos como Guerra Civil, Deadpool e Batman Vs Superman à retorno de franquias como A Era do Gelo: O Big Bang, X-Men: Apocalipse e Star Wars: Rogue. Mas o foco desse post não é apenas falar de filmes, mas sim dos filmes que estrearam em 2015 e terão seu enredo baseado em obras literárias. Muitos deles foram sucesso de vendas e outros estão caindo no gosto da galera. 

 Lembrando que as datas podem (e devem) sofrer alterações e, as obras que ainda não estão definidas ou estão com datas contraditórias estão no final dessa lista. 

 Com filme pra todo gosto, segue a lista dos principais filmes já confirmados com sua data de estreia (e ordenados por tal) e de qual foi o autor de cada uma das respectivas histórias:

13 de janeiro de 2016

Resenha: E Não Sobrou Nenhum | O Caso dos Dez Negrinhos

Título Original: And Then There Were None
Autor: Agatha Christie
Ano: 1939 - Edição: 2014
Editora: Globo Livros
Páginas: 400
ISBN: 978-85-250-5766-2
Avaliação: ★★★★★
Sinopse: Uma ilha misteriosa, um poema infantil, dez soldadinhos de porcelana e muito suspense são os ingredientes com que Agatha Christie constrói seu romance mais importante. Na ilha do Soldado, antiga propriedade de um milionário norte-americano, dez pessoas sem nenhuma ligação aparente são confrontadas por uma voz misteriosa com fatos marcantes de seus passados.  Convidados pelo misterioso mr. Owen, nenhum dos presentes tem muita certeza de por que estão ali, a despeito de conjecturas pouco convincentes que os leva a crer que passariam um agradável período de descanso em mordomia. Entretanto, já na primeira noite, o mistério e o suspense se abatem sobre eles e, num instante, todos são suspeitos, todos são vítimas e todos são culpados. Todos se perguntam: quem é o misterioso anfitrião, mr. Owen? Existe mais alguém na ilha? O assassino pode ser um dos convidados? Que mente ardilosa teria preparado um crime tão complexo? E, sobretudo, por quê?

 A ilha do Soldado é um palco que comporta grandes mistérios e desperta o imaginário das pessoas. Isolada do mundo, a ilha foi adquirida por alguém denominado Owen. Ainda mais misterioso que a própria ilha e o seu dono foi o convite que ele enviou para 8 pessoas para passar umas férias breves na ilha.

 As pessoas são as mais distintas e aparentemente sem nenhum nível de relações ou até mesmo de se conhecerem anteriormente.

 O clima começa a ficar sombrio quando os convidados começam ser eliminados um a um, como num reality show. Ninguém entende o porque daquilo, ninguém encontra respostas e nem mesmo o Owen aparece. A única logica está num velho poema infantil dos dez soldadinhos.

"Dez soldadinhos saem para jantar, a fome os move;
Um deles se engasgou, e então sobraram nove.

Nove soldadinhos acordados até tarde, mas nenhum está afoito;
Um deles dormiu demais, e então sobraram oito.

Oito soldadinhos vão passear e comprar chiclete;
Um não quis mais voltar, e então sobraram sete.

Sete soldadinhos vão rachar lenha, mas eis
Que um deles cortou-se ao meio, e então sobraram seis.

Seis soldadinhos com a colmeia, brincando com afinco;
A abelha pica um, e então sobraram cinco.

Cinco soldadinhos vão ao tribunal, ver julgar o fato;
Um ficou em apuros, e então sobraram quatro.

Quatro soldadinhos vão ao mar; um não teve vez,
Foi engolido pelo arrenque defumado, e então sobraram três.

Três soldadinhos passeando no zoo, vendo leões e bois,
O urso abraçou um, e então sobraram dois.

Dois soldadinhos brincando ao sol, sem medo algum;
Um deles se queimou, e então sobrou só um.

Um soldadinho fica sozinho, só resta um;
Ele se enforcou,
E não sobrou nenhum."

 Porém, nada que uma escrafunchada no passado não dê suas devidas respostas. Cercado de mistérios, o livro é completamente diferente do habitual desenvolvido por Agatha: Primeiro, um clima um tanto sombrio toma conta da história. Segundo que o "vilão" é uma incógnita das maiores já vistas por mim em livros do gênero, já que ele só é de fato revelado nos últimos parágrafos da obra, deixando o final do livro ainda mais surpreendente.

 Publicado anteriormente como O Caso dos Dez Negrinhos, E Não Sobrou Nenhum ganhou uma repaginada e está de volta com um novo nome, mas não foi por "charminho" da Editora Globo, já que originalmente o livro também sofreu a mesma alteração no título.

 É de fato o primeiro livro da autora que, em nenhum momento, senti falta do personagem mais amado de todos criados por ela: Hércule Poirot. É, também, o livro "grande" que li no menor período de tempo: Menos de 1 dia.

 Os personagens são pessoas que, ainda que não haja motivos ou tempo para apego, você não consegue de fato desvendar o que está por trás da mascara de cada um. Confesso que nenhum deles ficou de fora de minhas suspeitas.

"Quando o homem tem de salvar o pescoço, não perde muito tempo pensando em sentimentos."
Página 104 (eBook)

 Só fatos que comprovam o motivo de E Não Sobrou Nenhum ser eleitor o melhor romance policial de todos os tempos. Com suspense do início ao fim, Agatha nos surpreende mais uma vez com uma obra completa, sem pontas soltas, eletrizante e cheia de suspeitas. Mais um livro em minha lista de favoritos!

9 de janeiro de 2016

Wishlist #11


 2016 chegou trazendo boas expectativas literárias, com a promessa de bons lançamentos vindo por ai. Porém, a minha lista de desejo mantem-se basicamente de publicações não tão novas, em sua maioria. São livros dos mais diversos gêneros e não seguem uma ordem de preferencia. Os cinco livros listados nessa Wishlist (lista de desejos) 11 serão obras que já podem ter aparecido em alguma das outras dez wishlists que já postei, devido a diferença grande de tempo entre as postagens. Querem conhecer? Segue a lista:

5 de janeiro de 2016

Resenha: A Colina Escarlate

Título Original: Crimson Peak
Texto: Nancy Holder
Roteiro: Guillermo del Toro & Matthew Robbins
Ano: 2015
Editora: Record*
Páginas: 308
ISBN: 978-85-01-08556-6
Avaliação: ★★★★
Sinopse: Edith Cushing, uma jovem da era vitoriana, alimenta o sonho de escrever um livro. Ainda que, segundo ela mesma, seja uma misantropa irritadiça, não é diferente das jovens de sua época. Porém, há algo tenebroso em seu passado. Aos 10 anos, Edith sofreu dois grandes traumas: o falecimento de sua mãe e, três semanas depois, o encontro com um fantasma — a Sr. Cushing, sua própria mãe. Ainda hoje Edith se lembra daquela noite: o tique-taque do relógio, o ranger das tábuas do assoalho, o farfalhar do robe de seda com o qual a mãe fora enterrada, o estalido dos ossos sob a pele que já definhava, a mão decomposta em seu ombro... e um recado enigmático. Sem medir esforços para realizar seu sonho, ela acaba conhecendo Sir Thomas Sharpe, um homem misterioso, dono de terras na Inglaterra e de uma mente criativa como a dela. Isso logo desperta o interesse da jovem, que busca mais informações sobre ele e sobre Allerdale Hall, a propriedade ancestral da família Sharpe. No entanto, o que Edith não encontra em suas pesquisas são os segredos terríveis guardados pelo nobre inglês, que irão assombrá-la para sempre. 

 A Colina Escarlate foi um dos grandes nomes do cinema em 2015 principalmente por carregar consigo o roteiro de ninguém menos que Guillermo del Toro, um dos maiores diretores cineastras de todos os tempos. Agora a obra ganhou uma transposição literária oficial escrita por Nancy Holder, que nada mais é do que a reprodução do filme em forma de livro, por assim dizer.

 Edith Cushing, a personagem central da trama, tem o sonho de ser uma escritora renomada. Ela perdeu sua mãe ainda nova e, por isso, mora com o seu pai, Carter Cushing, em Nova York, em pleno século XIX. E foi justamente através da mãe que ela teve seu primeiro contato com o sobrenatural: O fantasma dela deu um recado que ficaria eternamente na memoria da garota e, somente anos depois, faria sentido. 

 Enquanto isso, Thomas e Lucille Sharpe são irmãos que vem da Inglaterra para os EUA. Thomas criou uma maquina que poderia ser um grande investimento para os empresários da região, inclusive o pai de Edith. Porém, seu grande projeto foi "barrado no baile" pelo pai da garota. Mas o que ele não podia barrar foi o amor imensurável que surgiu entre Edith e Thomas. 

 Uma série de reviravoltas faz com que a garota, Thomas e sua irmã passem a morar em Allerdale Hall, no alto da Colina Escarlate, herança da família Sharpe. Um lugar surreal onde o imaginário e o terror é pouco para aqueles que se aventurarem passar um dia ali... E claro, os segredos que rodeiam os irmão são inimagináveis.


 Numa mistura surreal de drama, romance e terror, a narrativa é ainda mais detalhada que o filme de del Toro, o que não quer dizer, nesse caso, que a velha frase que "o livro é melhor que o filme" torne-se verdade. 

 Ainda que o livro pareça ser excessivamente tenebroso, ai que está o engano. Claro, há fantasmas, há aquela aura misteriosa e sombria, mas nada que deixe assustado (desde que você não se assuste fácil, claro).

 Os personagens são do tipo "ame-o ou deixe-o", apesar de eu ter gostado de quase todos (até mesmo gostei de odiar Lucille). 

 Mas a obra é surpreendente ou não? Meio termo. O livro tem uma história que envolve mas que, um certo momento, não é tão surpreendente assim. Seu desfecho vai do incrível ao clichê, mas que agradou. 

 De fato é um livro que agrada, prende a atenção e meche e muito com o imaginário (apesar de ter gostado mais do filme, se é que vale essa menção). 

*Parceria: Grupo Editorial Record (Selo Record)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...