5 de dezembro de 2015

Resenha | Antônio: O Primeiro Dia da Morte de Um Homem

Autor: Domingos Oliveira
Editora: Record
Ano: 2015
Páginas: 176
ISBN: 9788501105677
Avaliação: ★★★
Sinopse: Um pungente romance sobre relacionamentos recheado de cenas antológicas de amor, dor, amizade e sexo. Em seu primeiro romance, Antônio: o primeiro dia da morte de um homem, Domingos Oliveira, com estilo próprio, constrói uma narrativa de entrega e liberdade. Professor, roteirista, escritor frustrado, homem que já não é garoto, Antônio é um protagonista inesquecível, e nas páginas do romance faz o que todo personagem deveria fazer: vive. Ele ama, sofre com o término de um longo casamento, apaixona-se por Manuela e Nádia – vértices de um delicioso triângulo amoroso –, escreve, luta por reconhecimento, tudo isso observado pelo espectro do amigo Eduardo, recém-falecido, que não se furta a emitir opiniões e tentar interferir nas decisões de Antônio. Antônio é um livro que, se carrega muito da dramaturgia de Domingos, é literatura de primeira, um livro que nasce clássico.


 Eduardo não está mais entre nós. Desde então, o espectro dele observa de perto a trajetória de Antônio, um professor antropologista caracterizado por uma eloquência filosófica que sonha em ser escritor renomado. A partir dai, conhecemos profundamente a trajetória em "Pay-Per-View" do professor e todas suas derrotas e triunfos, como quando ele conheceu sua esposa Blue nas ruas de Paris em uma noite de Natal, ou quando ela o largou para casar-se novamente, agora com um baterista, ou quando ele se apaixonou loucamente por Manuela e Nádia, um dos relacionamentos mais fantásticos que ele pode ter.

"A cultura não remove montanhas, não faz pão, não derruba governos mas é imprescindível para que o caos não se instale imediatamente de uma vez por todas. Eles nunca pensaram nisso, nem vão pensar."
Página 73

 Antônio: O Primeiro Dia da Morte de Um Homem logo de cara nos surpreende pelo seu estilo de narrativa. Primeiro por, curiosamente, a obra ser narrada no presente ("ele fez", "ele está", "ele é") e, por segundo motivo o fato de, apesar da narrativa ser no ponto de vista do personagem Antônio, hora ou outra o autor se deixa perder em meio aos pensamentos soltos dele para com o personagem, deixando assim a sensação de um "segundo narrador".

 Entretanto, a obra que é curta em relação ao numero de páginas, torna-se alongada pela rotina do personagem. Em alguns momentos precisei parar a leitura, retornando em outro momento, o que levou a mais tempo com o livro do que esperava.

 No mais, o livro é uma obra sensível, romântica de certa forma e cômica, principalmente se observarmos a nada mole vida do personagem de maneira irônica. Vale a pena a leitura, principalmente para quem curte um livro mais rebuscado e devagar (no bom sentido, claro).

Parceria: Grupo Editorial Record (Selo Record)

Um comentário:

  1. Quando a narrativa começa a pesar já corro apesar de gostar desse tipo de romance que mistura ou foca no drama.

    Abs

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...