27 de abril de 2015

Resenha: O Dragão de Gelo

Título Original: The Ice Dragon
Autor: George R. R. Martin
Ano: 2014
Editora: Leya
Páginas: 128
ISBN: 978-85-441-0090-5
Avaliação: ★★★★★
Sinopse: O dragão de gelo era uma criatura lendária e temida, pois nenhum homem jamais havia domado um. Quando sobrevoava o mundo, deixava um rastro de frio desolador e terras congeladas. Mas Adara não tinha medo, pois ela era uma criança do inverno, nascida durante o frio mais intenso de que alguém tinha memória. Adara não se lembrava de quando viu o dragão de gelo pela primeira vez. Parecia que a criatura sempre estivera em sua vida, avistada de longe enquanto ela brincava na neve gelada durante muito tempo depois de as outras crianças terem fugido do frio. Aos quatro anos ela o tocou, e aos cinco montou no dorso imenso e gelado do dragão pela primeira vez. Então, aos sete anos, em um dia calmo de verão, dragões de fogo vindos do norte desceram sobre a fazenda pacífica que era o lar de Adara. E apenas uma criança do inverno - e o dragão de gelo que a amava - poderiam salvar o seu mundo da completa destruição. O dragão de gelo marca a muito esperada estreia de George R.R. Martin na literatura infantil. 

 Adara poderia ser mais uma garota como outra qualquer que vive ali, naquela monótona e pacata cidadezinha. Ela perdeu sua mãe ainda logo após seu nascimento, num dos invernos mais intensos daquela região. Sempre reservada e distante, ela passou a ser considerada "fria" pelo seu pai e seus irmãos mais velhos Geoff e Teri. Enquanto eles esperavam pacientemente o verão, que para eles trazia alegria, brilho e a ilustre visita de Tio Hal (e seus dragões do sul), era no inverno que Adara se sentia mais viva: podia ver a beleza da neve, sentir o frescor em seu rosto e brincar com os frágeis lagartos de gelo. Mas nada se comparava a visita de um ser raro (quase um mito), feroz, gigante e MUITO perigoso, mas que ela tinha como um bicho de estimação: O dragão de gelo.

"Gelo se formava quando ele soprava. O calor desaparecia. Fogueiras bruxuleavam e apagavam-se, abafadas pelo frio. Arvores eram congeladas até suas almas brandas e secretas, e seus galhos tornavam-se frágeis e quebravam sob o próprio peso. Animais azulavam, lamuriavam-se e morriam, de olhos esbugalhados e com a pele coberta de geada. O dragão de gelo soprava a morte no mundo."
Página 37

 É numa dessas visitas de Hal que as coisas começam a ganhar um novo contexto: Ele implora que seu irmão e os filhos partam daquela região já que a guerra bate tão quente a porta quanto a chama de um dragão feroz. O dilema instala-se entre aqueles que ali moram e o perigo é cada vez mais eminente.

 A obra é de um sutileza e maestria que há tempos não via em um livro do gênero. Martin conseguiu criar, em um livro teoricamente considerado infantil (assim como é o caso d'O Pequeno Príncipe), uma co-relação de amizade entre os personagens (sejam eles reais - pessoas - ou abstratos - os dragões, em si) que encanta os olhos. O relacionamento e de Adara para com o dragão de gelo é proporcionalmente oposta ao dela para com seus parentes, o que não quer dizer que não haja afeto entre eles. Falta coragem


 Adara carrega consigo uma dor que ninguém ao seu redor é capaz de notar e sentir e, talvez, nem ela mesma seja capaz. Sua relação fria com seus familiares e o peso que o pai leva na consciência de que ela foi a culpada pela morte da mãe é um tema interessantíssimo de se ver abordado nessa obra, já que o autor consegue, mesmo que indiretamente (ou não tão exposto assim) esse fato no inicio da obra.

"Os emburramentos, as irritações e as lágrimas de uma infância comum não eram para ela. Até mesmo a sua família sabia que Adara era diferente."
Página 18

 O livro é dividido em oito capítulos e narrado em terceira pessoa, como se fosse o próprio George R. R. Martin declamando a sua estória para alguém. Fisicamente falando, o livro é tão belo quanto seu conteúdo. As ilustrações foram feitas pelo artista espanhol Luis Royo, que fizeram o livro tornar-se ainda mais belo do que já é. Bem estruturado (ainda que a variação do tamanho de fontes tipográficas em algumas páginas tenha me incomodado), a obra ganhou um requinte nessa edição da LeYa, que ha proposito, tem a capa mais linda de todas já lançadas dessa obra no mundo até aqui.

 Em todos aspecto a obra consegue encantar, seja pela forma que a história se conduz, seja pela relação e características dos personagens como já citei ou pela forma que o pequeno universo foi predisposto para a obra ganhasse corpo, mesmo com tão poucas páginas.

 Se vocês acham que George R. R. Martin é apenas As Crônicas de Gelo e Fogo, precisam conhecer a maravilha literária que é O Dragão de Gelo, vulgarmente conhecido como o livro infantil de Martin. Cinco estrelas e coração de favoritado nele!

4 comentários:

  1. Olá, sabe que nunca li nada do autor? Todo mundo ama as obras do Martin, mas não fazem muito meu estilo, sabe? Gostei muito da sua resenha, quem sabe um dia eu mude de opinião e leio :D

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com/

    ResponderExcluir
  2. ahhhhh esse martin e essas leituras de Martim....
    adoro e odeio....
    amo ....mas tenho que ler Festin dos corvos..... :P
    Beijossss
    http://cantodadomino.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Olá Carlos!

    Adorei a Resenha! Ainda não li nenhum livro de George R. R. Martin, porém leio comentários que dizem que é muito bom :)
    Bem, o livro O Dragão de Gelo tem uma capa linda, porém a história não chamou muito a minha atenção!
    Mas que saiba eu leia para mudar de opinião né!

    Beijos e Sucesso!
    http://maisumpracolecao.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Que fofo, meu deus do céu *-* Amei, preciso pra ontem! Inveja de você, Carlos ~~

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...