22 de julho de 2013

Resenha: Os Miseráveis [Adaptação]

Titulo Original: Les Miserábles
Autor: Victor Hugo, adaptado por Walcyr Carrasco
Editora: Moderna
Ano: 2002
Páginas: 160
ISBN: 8532249981
Avaliação: ★★★★ 

Sinopse: "Os Miseráveis" mostra como uma pessoa pode se transformar graças à ação de outra. (...) História de fugas, trapaças e armadilhas, esta também é uma história de amor entre jovens. Aqui são relatados interesses e atitudes muito mesquinhos, mas também grandes gestos de desprendimento e bondade. Adaptação de Walcyr Carrasco.

VERSÃO ADAPTADA/RESUMIDA


 ============ ATUALIZAÇÃO  ============


======================================



 Se escrever um pequeno texto/resenha de "Os Miseráveis" é de uma complexabilidade sem tamanhos, quem dirá resumi-la em 160 páginas. E esse foi o desafio que Walcyr Carrasco esteve em mãos. 

 Para quem não conhece, a história trata de vidas que se cruzam em meio a fatos históricos como a Batalha de Waterloo em 1815 e os motins de 1832, focada inicialmente em Jean Valjean, um forçado das galés a cumprir pena por dezenove anos. "Quando criança, não aprendeu a ler. Ao crescer, tornou-se podador de árvores. Orfão de pai e mãe, foi criado por uma irmã mais velha, casada e com sete filhos. Quando tinha vinte e cinco anos, a irmã enviuvou. Jean tornou-se o 'homem da casa'. Seu trabalho era insuficiente para sustentar uma família tão grande."* Num momento de desespero, roubou um pão. Exatamente, por um pão! *Trecho do livro

 Enfim liberto da "escravidão", Jean procurou abrigo, mas ninguém se atreveu a confiar nele, tendo em vista que o tratavam como um assassino. No inicio um homem rancoroso com seu passado ingrato, ele buscou mudar de vida. Mas o pretérito insistia em bater em sua porta. 

 Anos depois, a história passa a ser focada em Fantine, uma jovem que é largada pelo seu namorado com filha proveniente do relacionamento deles, Cossete, deixando-as a esmo. Sem chão, ela decide voltar a sua cidade natal. Mas, para poder arrumar um emprego, ela deixa sua filha com o casal Thénardier, que passa a extorqui-la. Vale ressaltar que naquela época, uma mulher solteira e com filho era como uma praga que poderia contaminar a integridade da população. Por isso, quando descoberta a existência de sua filha, ela é demitida para "não dar má influencia as outras". Fantine vê sua vida ruir em desgraça. Bem mais adiante, Jean agora com outra identidade e tutor de Cossete tenta novamente levar uma vida normal. É quando entra outra peça chave do enredo: Marius Pontmercy.

 Os Miseráveis, apesar de ainda não ter lido o livro original (completo, no caso) - mas vi 3 versões diferentes de filmes, li a HQ, etc - é a história mais fantástica da literatura que eu conheço. A despeito de acreditar que limitar o romance é ir de encontro ao ideal original do autor, a versão "super" resumida (e superficial) leva seus pontos positivos. Para quem não está ainda apto da forma que a estória se desenrola, ler esse livro pode ser algo muito vago ou mal transcorrido, já que tudo acontece "direto ao ponto" e sem rodeios. Em momentos, me via como numa "retrospectiva do ultimo episódio", como em séries televisivas. Entretanto, para quem está adaptado ao âmbito proposto, essa velocidade não interfere tanto na compreensão dos fatos. Mas, como sua carga  histórica e humanitária, 160 páginas que, apesar de tudo, são validas. 

 Fica agora a expectativa de poder ler a obra completa, que sem duvidas, valerá a pena!

7 comentários:

  1. Nossaaa como sempre mais uma resenha que me instigou horrores para ler o livro!
    A história dos miseráveis sempre me instigou! ainda mais depois de assistir diversas adaptações inclusive uma mais adaptação do texto original para a faculdade!
    Parabénsss bjos Grandes

    Vou ler sim

    ResponderExcluir
  2. Carlos, recentemente eu tive a oportunidade de ler essa adaptação, mas, sinceramente, achei-a muito morninha. Eu não li a obra original... apenas vi a mais atual adaptação cinematográfica, e percebi que esse livro anda lado a lado com ele, exatamente. Mas não consegui me emocionar tanto quanto imaginei, e nem me senti instigada a ler a trama original. Só através do filme mesmo... talvez por conta das canções e dos demais elementos. Acho que eu esperava mais desse livro... enfim. Só lendo mesmo o original para degustar desse maravilhoso enredo.

    Um abraço!
    http://universoliterario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente, o apelo desse livro é fraco e bem cortado, chega assusta. Louco pra ler o volume completo e original também. =)

      Excluir
  3. Há muito tempo uma amiga da escola "me indicou" Os Miseráveis, gostei da trama mas não li com medo da complexidade e também do tamanho que a obra tem, se não me engano ele é dividido em 3 partes... Acho que já tá mais que na hora de encarar o clássico, só falta vontade.

    Gostei dessa edição adaptada, serve como estímulo para o original, ótima resenha.

    Abs

    http://tediosoc.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Uai, pq uma edição tão pequena? Será que é só o suprasumo da história pra estimular a galera a buscar o original? Vai saber, né? Particularmente, gosto do texto integral. Me sinto roubada (não no sentido financeiro) quando essas coisas pipocam por aí :˜

    Mas então, deixa eu falar. Os Miseráveis é uma história linda mesmo, mas sabe que do Victor Hugo eu me apaixonei por O Corcunda de Notre Dame? (LLLLLL)

    Beijão!

    Raquel
    www.pipocamusical.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Victor Hugo é sensacional. Os Miseráveis deve ser lido por quem gosta de literatura. E não tem nada de morno. Tem muitas verdades que só a miséria mostra.

      Excluir
  5. Eu vi a mais recente adaptação cinematográfica e simplesmente amei! Nossa que história! Extremamente emocionante, impossível não se apaixonar pela históira! Humilde opinião, rs Gostei bastante da sua resenha e só lembrei do filme ao lê-la! Curiosidade em ler a obra completa, mas não sei se aguentaria.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...