5 de abril de 2013

Resenha: 72 Horas Para Morrer

Título Original: 72 Horas Para Morrer
Editora: Novo Século
Autor: Ricardo Ragazzo
ISBN: 978-85-7679-495-0
Ano: 2011
Número de páginas: 254
Avaliação: ★★★★

Sinopse: Pior do que conhecer um Serial Killer, é um Serial Killer conhecer você! “O Carro pertence à sua namorada.” Com essas palavras, Júlio Fontana, delegado da pacata cidade de Novo Salto, tem a vida transformada em um inferno. Pessoas próximas começam a ser brutalmente assassinadas, como parte de uma fria e sórdida vingança contra ele. Agora, Júlio terá que descobrir a identidade do responsável por esses crimes bárbaros, antes que sua única filha se torne o próximo nome riscado da lista. 72 Horas para Morrer é uma corrida frenética contra o tempo, que prenderá o leitor do início ao fim.

 Júlio Fontana é um delegado que viu sua vida virar de ponta-cabeça quando ao chegar do trabalho portando um buquê de flores para sua mulher, flagrou um homem fugindo pelado pelo quintal de sua casa. Ele, motivado pelos fatos ali presentes, expulsou a sua mulher de casa.   Ela sofre um acidente de carro e morre deixando a filha gerada daquele relacionamento: Laura. Anos após o ocorrido, Laura ainda culpa (mesmo que internamente) seu pai tanto pelo fim do casamento quanto pela morte da mãe. 

 Tudo caminhava dentro de sua normalidade em Novo Salto, até um telefonema mudaria tudo: O carro de sua atual namorada Agatha foi encontrado abandonado. A vítima, desaparecida. Logo vem a descoberta: Alguém, inimigo de Júlio, havia a sequestrado, torturado, e esquartejado-a da pior maneira possível  Mas antes de mata-la, um vídeo foi gravado no qual o sequestrador a obrigou a contar a novidade que causaria ainda mais pânico e tristeza em Júlio: ela estava grávida. Horas depois, outra pessoa ligada ao Fontana também morreria de maneira perversa, como uma marca do "vilão". 

 Nesse meio tempo, Laura conhece Miguel, o qual se apaixona a primeira vista. Normal? Sim, poderia ser se não fossem alguns "pequenos" fatores: Miguel tem idade para ser o pai (ou até mesmo avô) de Laura. E mais: é um ex-presidiário acusado de assassinato. Assassinato do primeiro amor de seu ex-amigo, Júlio. Porém, de acordo com o Padre Paulo, Miguel havia mudado totalmente. Estava buscando ser uma pessoa melhor e o próprio provaria isso para Júlio.
Mas o que é o amor senão o mais passageiro dos sentimentos? Dedicar-se a ele é tão inútil quanto tentar plantar algo no deserto. Cedo ou tarde o sentimento vai embora, deixando com a gente um tremendo vazio.
Página 229
Num suspense totalmente envolvente, impactante e de tirar o fôlego, 72 Horas Para Morrer caiu como uma luva. O enredo começa num ambiente típico de uma obra investigativa, aquela aura do suspense presente no ar, os personagens indecifráveis e misteriosos, etc. Quando a primeira morte ocorre, o livro prova que não seria como qualquer outro do gênero. Mortes no melhor estilo Seven ou Jogos Mortais (com direito ao "I wanna play a game"). 

 Júlio, o personagem central da trama fica um tanto desequilibrado psicologicamente com o que acontece ao seu redor, principalmente por todos os incidentes estarem diretamente ligados a ele. Afinal, porque alguém queria o atingir? Claro, inimigos de profissão ele tinha, até porque ele era um delegado, mas ele não lembrava de ninguém capaz de tamanha brutalidade. Por isso, o principal suspeito do Sr. Fontana era Miguel, mesmo todos discordando. Quanto a Laura, uma adolescente rebelde e várias vezes insuportável, típico personagem que você perde a paciência. 
A vingança move, alimenta, energiza [...] Uma amargura doce que dá sentido à vida. O ódio, diferente do amor, permanece conosco. Para sempre. Enquanto o amor é efêmero, o ódio enraíza na alma, modifica, transforma. Odiar, meus amigos, é a essência da vida!
Página 229
 Alguém pode perguntar, o livro é só maravilhas? Eu diria que não. Não sei quem já pode ler, mas eu achei alguns pontos previsíveis. Mas, se houve algo mais decepcionante em todas as 254 foi o desfecho. De fato, é sim surpreendente, mas não é o surpreendente que se espera num livro, mas sim aquele que você pensa: "acho que alguém se perdeu escrevendo essa história..." Achei meio ilógico com a realidade ali presente, o que me deixou verdadeiramente frustrado, já que cabia um final muito mais enérgico, sanguinário e/ou emocionante, no meu ponto de vista. No contexto geral, gostei bastante da trama que poderia entrar pro rol de 'favoritos', não fosse esse quesito citado acima. Indico veementemente! Literatura nacional de alto nível.

Review: 01/02/2014
PROMOÇÃO 

 O Cantina do Livro participa juntamente com os blogs Sybil's Page, Coolture News, Mundo Otaku, Coração de Tinta e Clube dos Viciados em Livros e Filmes do Booktour do Livro 72 Horas Para Morrer. Para concorrer um exemplar do livro + um livro surpresa, basta comentar nessa postagem e em seguida ir NESSE LINK e preencher o simples formulário. Portanto, não deixem de comentar.

Aos participantes, boa sorte!

9 comentários:

  1. Aih.... eu achei essa capa horrorosa kkkk nossa, que espanto me deu. Mas enfim achei a historia bem legak, e leria sim. Imagino como deva ser bem vibrante. Não é bem lá o que curto ler, mas parece ser bom. Eu leio nacionais sabe, mas prefiro os estrangeiros...

    abraço
    http://www.sonhosresenhas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. A capa sem a cabeça acho que seria melhor.Porém, gostei da premissa do livro, parece ser super mega interessante. E não sei porque me lembra a série 24 horas.

    Lucas / Era uma vez...
    livrosecontos.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Oi Carlos, adoro romances investigativos e esse título realmente se revelou como uma promessa de ótima leitura! Fiquei muito curiosa depois de conferir a sua resenha e espero ter a oportunidade de ler!! Concordo com o Mauricio e com o Lucas a respeito da capa!! :}

    Te espero lá no Prólogo da Leitura, até mais!!

    ResponderExcluir
  4. Estou louca pra ler esse livro
    Adoro esse tipo de estória,
    Não tenho problema algum com relação a capa.

    http://soubibliofila.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Olá, Carlos!
    Parabéns pela resenha. :)
    Concordo contigo quando você se refere ao final do livro, na minha opinião foi bastante forçado. Mas caso houvesse um final diferente, como você mesmo diz sanguinário ou sei lá... ele poderia ter entrado na lista de favoritos.

    Abraços.
    Entre Livros e Livros.
    http://musicaselivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Parece um livro legal e que eu não mediria esforços para comprar se tivesse tomate para vender! kk (espero que você entenda)
    Ótima resenha! :D Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com uns dois tomates você pode trocar por uns 5 exemplares -q (entendi sim)

      Excluir
  7. Olá Carlos!!
    Essa capa dá medo! sério.
    Eu sou super fã de um bom livro de suspense!
    E esse livro me deixou bem curiosa, até me veio um livro do Harlan na cabeça enquanto estava lendo a resenha. Enfim, você me deixou bem curiosa a respeito!!
    Ótima resenha!

    Beijos,
    lovesbooksandcupcakes.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Gostei da resenha! :D
    Estou participando de um book tour deste livro, e não sei quando vou ler.
    Algo que me deixou com o pé atrás foi este apoio ao ódio. Quem diz isso no livro? É o Júlio? Desequilíbrio mesmo, hein? hahaha...
    Abraço.

    vivianpitanca.blogspot.com

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...