31 de outubro de 2012

Disney compra produtora LucasFilm e anuncia Star Wars 7


Com uma negociação foi fechada em $4,05bilhões, a Disney anunciou a compra da produtora Lucasfilm, fundada pelo cineastra George Lucas, criador da série Star Wars (Guerra nas Estrelas). Não bastasse essa notícia, a bomba: Também foi anunciado um sétimo episódio da série para 2015, no caso Star Wars 7. De antemão sabe-se que haverá uma trilogia. Ou seja, Star Wars 7, 8 e 9 calma, respira.
Eu, como fã da série, não gostei disso. Primeiro motivo, o mais óbvio, a aglomeração desacerbada de posers e haters que irão aparecer. Confesso ser egoísta em relação as séries que eu curto e não gostar de modinhas, logo... Depois, como todos que já assistiram a série sabe, seria necessário "recomeçar" tudo, já que não há mais motivos para continua-la (ao meu ponto de vista).

Enfim, temo muito pela série e por nós, fãs. Mas vamos esperar o resultado. Certeza, só tenho uma: Estarei na primeira fileira em 2015. 

29 de outubro de 2012

Resenha: Jogada Mortal

Título/Título Original: Jogada Mortal (Drop Shot)
Editora: Arqueiro
Autor: Harlan Coben
ISBN: 978-85-8041-046-4
Ano da Edição: 2012
Número de páginas: 256
Avaliação: ★★★★ 
Sinopse: Tudo parece ir bem até que Valerie Simpson, uma tenista que já foi a maior promessa do esporte, é morta durante um jogo do Aberto dos Estados Unidos. Ao que tudo indica, a jovem estava lá em busca de Myron, mas foi encontrada antes pelo assassino. Myron não imagina por que Valerie foi atrás dele, mas se sente culpado por não tê-la encontrado a tempo. Para piorar, seu cliente mais importante, o tenista Duane Richwood, se torna o principal suspeito do crime. Em busca da verdade, Myron descobre que a jovem vinha sendo assediada por um fã obcecado desde o início da carreira. Além disso, seis anos antes, ela estava prestes a ficar noiva do filho de um senador quando o rapaz foi morto sob estranhas circunstâncias. Enquanto tenta desvendar o assassinato da tenista, Myron se tornará um obstáculo para os interesses da máfia, de um político poderoso e de uma família influente. Agora ele e as pessoas que mais ama podem ser as próximas vítimas. Este é o segundo volume da série de livros de Harlan Coben tendo como protagonista Myron Bolitar.
Review: 05/03/2014

  Myron é um ex-jogador de basquete que viu sua carreira promissora ir por aguá abaixo depois de uma grava contusão que o tirou do Boston Celtics, um time da NBA. Depois desse fracasso em sua vida, formou-se em direito em Havard, trabalhou para a FBI e tem uma agência de novos talentos no esporte. Juntamente com Windson Horne Lockwood III, ou apenas Win, arriscaria chama-los de "Sherlock e Watson dos tempos modernos".

  Valerie Simpson era uma tenista profissional de alto nível já aos 16 anos de idade. Seu futuro no esporte era certo. Porém, uma sequencia de problemas pessoais (revelados aos poucos ao decorrer do livro) a fizeram "fechar-se" para o mundo e ficar reclusa de todos.

  Passado-se seis anos, a garota procura Bolitar buscando retornar a ativa. Nesse meio tempo, Myron já agenciava o ex-morador de rua Duane Richwood, uma grande revelação no esporte e com grande potencial para conquistar o Grand Slam dos EUA (US Open) e que estava para fechar com a Nike. Porém, Valerie vê (se é que ela viu) seus planos afundarem quando esta foi assassinada durante a competição, no meio de toda multidão.
"- Você está fazendo aquela cara - avisou Win.
- Que cara?
- Sua cara de 'quero salvar o mundo' - disse Win. - Ela não era sua cliente.
- Mas iria ser."
Página 14, diálogo entre Win e Myron sobre Valerie

  Mesmo estando em quadra jogando, Duane passou a ser o maior suspeito do assassinato, até por seu número de telefone estar na lista de chamada de Valerie, que ele alegava não ter nenhum contato, amizade ou algo do tipo.

  Começa um grande jogo de acusações, mistérios, medos e mentiras. Uma leitura "suave", rápida, agradável e perspicaz, mais uma vez Harlan tocou com primor sua obra. O tom sarcástico (principalmente nos diálogos) sem dúvidas também influenciam muito a positividade do livro. Como de praxe, o final é surpreendente. Pontos altos também para alguns personagens coadjuvantes (como Esperanza Diaz, ex-profissional de luta livre e hoje secretária de Myron e Jessica Culver, namorada/mulher dele).
"Sim, a agressão era o mais perto que o homem moderno conseguia chegar do seu eu primitivo, por assim dizer. E, sim, a violência era o teste final do homem, em que se punham à prova ao mesmo tempo sua força física e sua sagacidade animal. Mas não deixava de ser repulsiva. Pelo menos em tese o homem havia evoluido e se tornado um ser racional. Em ultima analise, agir violentamente era uma forma de 'sentir um barato'. Mas saltar de paraquedas também."
Página 210
Os livros da Série Myron Bolitar
  1. Quebra de Confiança (Deal Breaker) 
  2. Jogada Mortal (Drop Shot) 
  3. Sem Deixar Rastros (Fade Away)
  4. O Preço da Vitória (Back Spin)
  5. One False Move 
  6. The Final Detail 
  7. Darkest Fear 
  8. A Promessa (Promise Me)
  9. Quando Ela Se Foi (Long Lost) 
  10. Alta Tensão (Live Wire) 

29 de Outubro - Dia Nacional do Livro

 Você sabe por que comemoramos o dia Nacional do Livro no dia 29 de outubro? Por que foi nesse dia, em 1810, que a Real Biblioteca Portuguesa foi transferida para o Brasil, quando então foi fundada a Biblioteca Nacional e esta data escolhida para o DIA NACIONAL DO LIVRO. 

 O primeiro livro publicado aqui foi "Marília de Dirceu", de Tomás Antônio Gonzaga, mas nessa época, a imprensa sofria a censura do Imperador. Só na década de 1930 houve um crescimento editorial, após a fundação da Companhia Editora Nacional pelo escritor Monteiro Lobato, em outubro de 1925. 

 "A leitura nutre a inteligência." 
(Sêneca)

27 de outubro de 2012

Saturday's Quotes #2

Ousado aventureiro, decida de uma vez:
Faça o sino vibrar e aguarde o perigo
Ou acabe louco de tanto pensar:
"Se eu tivesse tocado, o que teria acontecido?"
As Crônicas de Nárnia: O Sobrinho do Mago  - C.S. Lewis
É sempre um erro me aproximar demais das pessoas, mas, mesmo sabendo disso, não me contenho."
Cilada - Harlan Coben
Não é o lugar. São as pessoas."
Eu Sou o Mensageiro - Markus Zusak
Só porque você acredita firmemente numa coisa não significa que ela seja verdadeira."
A Cabana - William P. Young 
Os vencedores reescrevem a história."
Tormenta - Lauren Kate 

23 de outubro de 2012

Resenha: O Médico e o Monstro

Título Original: Dr. Jekill and Mr. Hyde
Editora: L&PM Pocket
Autor: Robert Louis Stevenson
ISBN: 978-85-254-1123-5
Ano de Lançamento: 1886
Ano da Edição: 2011
Número de páginas: 108
Avaliação: ★★★★★
Sinopse: As suspeitas começaram quando Mr. Utterson, um circunspecto advogado londrino, leu o testamento de seu velho amigo Henry Jekyll. Qual era a relação entre o respeitável Doutor Jekyll e o diabólico Edward Hyde? Quem matou Sir Danvers, o ilustre membro do parlamento londrino? Assim começa uma das mais célebres histórias de horror da literatura mundial. A história assustadora do infernal alter ego do Dr. Jekyll e da busca através das ruas escuras de Londres que culmina numa terrível revelação. A obra de Stevenson publicada em 1886 é considerada um grande marco dos livros de horror, suspense e mistério.

 A história passa-se em Londres no século XIX. É narrada por Mr. Utterson, um amigo que Dr. Jekill que confiou-lhe ler seu testamento. Jekill é um médico honesto, virtuoso e respeitado entre todos. Ele acreditava que toda pessoa existe tanto uma personalidade boa quanto má, ambas muito distintas uma da outra. A partir disso, ele inicia uma série de experiencias cientificas objetivada a comprovar sua teoria, sendo esta totalmente contrariada e repudiada pela opinião publica. Até por isso, ele decide ser cobaia de si mesmo. Eis que entra em cena o diabólico Edward Hyde, que mais tarde seria condenado por homicídios. Hyde estaria hospedado na casa de Jekill mas deixava claro que o médico não tinha nenhum tipo de relação com ele.

As incógnitas e a linguagem singela que aparecem no livro desde seu inicio até as últimas páginas, a forma como é descrita as situações, o seu gênero, seu contexto e peso na história e diversos outros fatores tornaram esse clássico um dos meus livros preferidos. Afirmo que não gostei do livro na primeira vez que o li há alguns anos atras. Acredito que não estava "preparado" para a leitura. Já, pela segunda vez, a concepção mudou totalmente. O autor também deixa evidente o clima de tensão, desconfiança e insegurança presentes naquela época em Londres, principalmente pela gritante diferença sociais entre os centros urbanos industriais e a camada pobre, sendo a cidade palco de inúmeros crimes horríveis.

Uma pequena informação sobre o livro que não deve-se deixar passar é a primeira aparição da Scotland Yard (uma central de policia londrina) numa obra literária. Creio que na maior parte dos livros policiais citam-a, principalmente os mais antigos, como Sherlock Holmes.

Evidentemente, indico a todos.

19 de outubro de 2012

Resenha: Carrie, A Estranha

Título/Título Original: Carrie, A Estranha (Carrie)
Editora: Objetiva
Autor: Stephen King
ISBN: 978-85-7302-824-9
Ano de Lançamento: 1974
Ano da Edição: 2007
Número de páginas: 137
Avaliação: ★★★★★
Sinopse: CARRIE narra a atormentada adolescência de uma jovem problemática, perseguida pelos colegas, professores e impedida pela mãe de levar a vida como as garotas de sua idade. Só que Carrie guarda um segredo: quando ela está por perto, objetos voam, portas são trancadas ao sabor do nada, velas se apagam e voltam a iluminar, misteriosamente. Aos 16 anos, desajustada socialmente, Carrie prepara sua vingança contra todos os que a prejudicaram. A vendeta vem à tona de forma tão furiosa e amedrontadora que até hoje permanece como exemplo de uma das mais chocantes e inovadoras narrativas de terror de todos os tempos.
Review: 17/12/2013

 Carrieta White, ou apenas Carrie é uma adolescente de 16 anos tímida, estranha e sem amigos. Tais sentimentos é justificado até pela criação imposta por sua mãe, uma fanática religiosa que acredita que sua filha havia sido um castigo de Deus por ela ter pecado com seu marido. Sim, ela acreditava que um simples gesto de carinho já seria um ato pecaminoso, quanto mais o sexo. E assim Carrie cresceu, tendo seus olhos fechados para o mundo. 

 Por trás daquela frágil e triste garota havia um segredo que até a própria desconhecia: a Telecinesia conceituada como a capacidade de mover fisicamente um objeto com a força psíquica. 

 Um dia, após a aula de educação física tomando banho no vestiário feminino, Carrie tem sua primeira menstruação ali, diante de todas as outras garotas. Ela não sabia o que era aquilo pois sua mãe nunca falou com ela a respeito disso. Carrie entra em desespero acreditando ela que estava morrendo, tendo uma hemorragia ou algo do tipo. As outras garotas, lideradas por Chris Hargensen zoam da cara dela, humilhando-a publicamente daquele momento em diante. Com o seu psicológico demasiadamente abalado, Carrie começa a realmente se conhecer e reconhecer seus dons.

 Esse é o primeiro livro do renomado Stephen King que eu leio e posso adianta que não será o último. Decidi que "Carrie, A Estranha" seria a primeira obra dele que eu iria ler e não me arrependo. A forma como o autor expõe os fatos com pequenas pausas para uma "explicação" ajudam muito o intendimento total dos fatos passados e ali presentes. Mas seria a Carrie White uma estranha? Não exitaria em dizer que sua mãe, Margaret White é muito mais estranha (até doentia) que ela, capaz de abrir mão do seu bem estar e de sua filha por um fanatismo encegueirado. Pressupõe-se que a relação mãe-filha ficaria abalada depois das descobertas... E o que dizer de Chris Hargensen, uma garota rica mimada que acha ser o centro do universo (e uma das principais causadoras do "grand finale" do livro)?

 É exatamente o tipo de história que eu gosto, aquela que fica presa em sua cabeça, que você vê seus sentimentos se envolvendo com os personagens. Mesmo com muita gente que "não vê graça no livro", comigo rolou a química perfeita. Para os amantes de um suspense paranormal e drama com um leve terror, super indicado.

16 de outubro de 2012

Os blogs estão matando a crítica literária? Sir Peter diz que sim

“Que vergonha, blogueiros”, diz Sir Peter Stothard (que acabou de virar um enorme alvo da internet).

Em entrevista ao jornal inglês The Independent, Sir Peter Stothard, editor do suplemento literário do Times e presidente do júri do prêmio Man Booker deste ano, disse que o aumento do número de blogueiros deixará o mercado editorial pior. “A crítica”, argument Stothard, “precisa de confiança face à enorme competição externa. É maravilhoso que existam tantos blogs e sites dedicados a livros, mas ser um critico é ter muitas diferenças em relação aos que partilham seus gostos… Todas as opiniões não têm o mesmo valor ”. É o aumento do número de blogs especificamente que mais desaponta o ex-editor do Times. “Eventualmente isso será o detrimento da literatura. Será ruim para os leitores; por mais que se goste de pensar que a opinião dos vários bloggers são tão boas quanto outras. Simplesmente não são. Pessoas serão encorajadas a comprar livros que não são bons, os bons serão soterrados, e ficaremos em uma situação pior.”

Texto de Publish News

E você, o que acha disso? Comente!

15 de outubro de 2012

Meme #1: 11 perguntas

Recebi um meme do blog Sweet Love no qual devo responder 11 perguntas literárias. Agradeço a Naah Stuart pela lembrança do CdL e aqui vamos nós:

1 - Qual seu personagem favorito de todos os tempos?
Liesel Meminger (A menina que roubava livros).

2- Qual seu livro favorito?
Um só? Vai "O Pequeno Príncipe".

3- Qual o pior livro que você já leu na sua vida?
Dos que consegui terminar, "O Roubo da Mona Lisa".

4- Que música combina perfeitamente com um livro?
"The Kill" do 30 Seconds to Mars com o livro "Assassin's Creed: Renascença".

5- Se você pudesse se casar com um personagem, com quem seria? E por que? 
Hermione Granger. Linda, inteligente, aventureira... Precisa mais motivos?

6- Qual livro que te deixou mais triste?
Vidas Secas =/

7- E mais feliz?
Harry Potter (?)

8- Qual livro que você leu só pela capa?
Cilada. Escolha certeira !

9- Qual livro você já leu por boas recomendações de amigos?
A Cabana.

10- E por resenhas positivas?
Homem-Máquina.

11- Qual seu autor favorito?
Agatha Christie com menção honrosa para JK Rowling, Harlan Coben, CS Lewis, Rick Riordan e Arthur Conan Doyle.


*Deixando um lembrete que vale responder as perguntas escrevendo ou em videos, cada qual escolhe o que for melhor.*

Indico 11 blogs para responder a tag:
+3 

Enfim, por enquanto isso é tudo. 

12 de outubro de 2012

Resenha: As Crônicas de Nárnia: O Sobrinho do Mago

Título/Título Original: O Sobrinho do Mago (The Magician's Nephew)
Série: As Crônicas de Nárnia (The Chronicles of Narnia)
Editora: Martins Fontes
Autor: C.S. Lewis
ISBN: 978-85-7827-069-8
Ano Lançamento: 1955
Ano Edição: 2011
Número de páginas: 98 (apenas o livro "O sobrinho do mago" - Volume Único)
Avaliação: ★★★★
Sinopse: A aventura começa quando Digory e Polly vão parar no gabinete secreto do excêntrico tio André. Ludibriada por ele, Polly toca o anel mágico e desaparece.
Digory, aterrorizado, decide partir imediatamente em busca da amiga no Outro Mundo. Lá ele encontra Polly e, juntos, ouvem Aslam cantar sua canção ao criar o mundo encantado de Nárnia, repleto de sol, árvores, flores, relva e animais.


Rewiew: 25/01/2014



 Apesar de "O Sobrinho do Mago" ser o primeiro livro da série "As Crônicas de Nárnia", foi o penúltimo a ser publicado por Lewis e conta como de fato tudo acerca de Nárnia foi originado.

 A história começa a amizade de Polly Plummer e Digory Kirke, com onze e doze anos de idade, respectivamente. Digory foi morar em Londres com seus tios Leta e André Ketterley, já que sua mãe está doente e eles passaram a cuidar da saúde dela.

 Buscando aventuras, os garotos resolvem invadir uma casa vizinha e logo descobrem uma passagem secreta que leva diretamente para a casa do próprio Digory. Chegando lá, encontram o tio André, um velho misterioso, com aura de louco, alto, magro e com expressão de desânimo, como descrito pelo seu sobrinho no início da trama.

"— Seu tio é mesmo doido?
— Ou é doido ou então há um mistério nisso."
Parte do diálogo entre Polly e Digory, Página 12 
 Polly e Digory encontram dois anéis (dois amarelos e dois verdes) naquela sala. Logo, são surpreendidos pelo miraculoso tio, que estava ali presente. Seduzida pelo maravilhoso brilho dos anéis e pela proposta do tio para levar um dos amarelos, Polly termina indo parar no "Bosque Entre os Mundos". Percebendo que o "mago" André havia feito, Digory descobre (até então) que os anéis levavam para "um outro mundo" e os verdes o traziam de volta.

 Chegando em Charn (sim, esse é o nome do tal outro mundo), dessa vez foi Digory a ser seduzido por uma placa que o fez tocar um sino e despertar a feiticeira Jadis (a mesma Feiticeira Branca, para quem leu/assistiu "o leão, a feiticeira, e o guarda-roupa"). A partir daí a história encorpa-se e revela uma aventura  de fantasia incrível e bem elaborada.
Ousado aventureiro, decida de uma vez:
Faça o sino vibrar e aguarde o perigo
Ou acabe louco de tanto pensar:
"Se eu tivesse tocado, o que teria acontecido?"
Página 33
 A aparição de Aslam num ponto crucial da história revela como e o que aconteceu ante, durante e depois a criação de Nárnia. A sequencia disso muitos de vocês já podem conhecer, principalmente pela série cinematográfica. Vale ressaltar que esse livro será adaptado como o quarto filme do seguimento. 

 Assim como muitos outros leitores e/ou fãs das Crônicas de Nárnia, defendo a tese que "O Sobrinho do Mago" deve ser lido seguindo a ordem cronológica e não sua própria ordem de publicação. Mas deve-se levar em consideração, já que pode ser que não interfira na leitura da obra seguir a ordem de publicação. 

10 de outubro de 2012

Resenha: O Despertar

Título/Título Original: O Despertar (The Awakening)
Série: Diários do Vampiro (The Vampire Diaries)
Editora: BestBolso
Autor: L.J. Smith
ISBN: 978-85-7799-330-7
Ano: 2012
Número de páginas: 190
Sinopse: Em Fell’s Church, uma cidade pacata em West Virginia, a garota mais popular da escola Robert E. Lee apaixona-se por um vampiro com quatrocentos anos. Com a ajuda das amigas, Meredith e Bonnie, Elena fará tudo para seduzir Stefan. E Stefan fará tudo para proteger Elena… dele mesmo. O adolescente de olhos verdes, rosto clássico escondem um passado sombrio e uma sede que não consegue controlar. Com ele, arrasta a memória de um amor perdido e um irmão que apenas deseja vingança. Em Florença, no Renascimento, Stefan e Damon Salvatore lutaram pelo amor da mesma mulher. Séculos mais tarde, voltarão a fazê-lo. Diários do Vampiro – O Despertar é a introdução a um triângulo amoroso arrepiante: a história de dois irmãos vampiros que se odeiam e de uma garota que se vê dividida entre os dois.
Depois as experiencias frustrantes com outras obras focadas no "vampirismo", resolvi encarar o livro de L.J. Smith. Conheci a história (assim como provavelmente maior parte das pessoas) através da homônima série de TV norte-americana. Adaptado a aquele contexto, senti um grande impacto em termos comparativos entre livro/série.

A trama inicia-se com volta da viagem para a França de Elena Gilbert, protagonista da série com sua família ou pelo menos o que sobrou dela, já que seus pais haviam morrido num acidente de carro. Passou a ser criada juntamente com sua irmã Margaret por sua tia, Judith.
"Elena Gilbert, descolada, loura e magra, a que lançava moda, a veterana do ensino médio, a garota que todo menino quer ter e toda menina quer ser."
Página 9
Em meio ao fim do namoro com Matt, o "bom de mais para ela" (como a própria julgou ser o motivo do fim do relacionamento) e as brigas com sua ex-amiga Caroline Forbes, que hoje compete por popularidade com ela, Elena conhece (ou pelo menos tenta conhecer) o novato Stefan Salvatore, sua nova presa. Rapidamente aquele apreço dela para ele torna-se paixão e vice-versa, mesmo com os "foras" que ela vivia recebendo dele. Num resumo rápido, envolto aos incidentes que tem acontecido em Fell’s Church, logo ela descobre a verdadeira identidade e sobre o passado de Stefan. 

Em termos gerais, o livro é decepcionante. Não que ele seja ruim, nem nada do tipo, o enredo é bem elaborado, os personagens de personalidade firme e com sua importância no contexto, mas como já citei, conheci a história através da série de TV cuja adaptação (se é que pode-se chamar de adaptação) é de fato superior a história original.

Tudo no livro acontece muito de repente, rapidamente e as vezes até sem sentido (como quando deixaram a festa para ir ao cemitério - quem leu deve entender o porque), deixando um tom de "é só isso?" no ar. Os momentos flashback de Stefan e o lado de Damon na história também foram pouco explorados. Como pontos positivos os "eu te amo" não se prolongam pelas páginas, o que deixa muitas obras de romance cansativas, principalmente para quem não curte tanto assim o gênero, como eu. Não é necessário citar já citando também que os vampiros não brilham no sol, o que já agrada bastante. Brincadeiras a parte, é uma leitura agradável mas não é o que esperava. E sem duvidas, indico muito mais a série de TV que o livro.

Avaliação


8 de outubro de 2012

"Uma Morte Súbita" é o título oficial de "The Casual Vacancy" no Brasil

A editora nacional Nova Fronteira, que irá traduzir e publicar o novo livro de J. K. Rowling em nosso país, divulgou nesta manhã em seu Facebook o título definitivo da edição brasileira de “The Casual Vacancy“.

O livro, que em tradução literal se chama “A Vaga Casual” teve seu título brasileiro oficial traduzido como “Uma Morte Súbita”. Com essa revelação, outras informações a respeito da edição tupiniquim não devem demorar a sair.

A data de lançamento da versão nacional, já traduzida, é dia 12 de dezembro. E esta versão nacional já está em pré-venda nas Lojas Americanas e na Livraria Saraiva.

Sucesso de vendas no exterior "Uma Morte Súbita" já aparece na primeira posição dos livros de ficção mais vendidos no Reino Unido. Segundo a lista da Nielsen BookScan, empresa que recopila as informações fornecida pelas livrarias, a obra da criadora das aventuras de Harry Potter vendeu 124.603 cópias nos primeiros três dias após seu lançamento no dia 27 de setembro.

Desta forma, "Uma Morte Súbita" passou a ser o livro de vendagem mais rápida desde a obra "O símbolo perdido", de Dan Brown, que em 2009 alcançou 550 mil cópias em sua primeira semana nas livrarias.
Foto divulgação postada no facebook da Editora Nova Fronteira
Texto de scarpotter.com

5 de outubro de 2012

Resenha: Percy Jackson e o Ladrão de Raios

Título Original: The Lightning Thief
Série: Percy Jackson & the Olympians
Editora: Intrinseca
Autor: Rick Riordan
ISBN: 978-85-98078-39-7
Ano: 2005
Número de páginas: 385
Avaliação: ★★★★★

Sinopse: Estamos no século 21, mas os deuses do Monte Olimpo e vários monstros saíram das páginas dos textos de Mitologia Grega do estudante colegial Percy Jackson para aparecerem direto em sua vida. E eles não estão contentes: o raio mestre de Zeus foi roubado e Percy é o principal suspeito. Ainda mais problemático, é o desaparecimento súbito da mãe de Percy. Enquanto o garoto se adapta a seu recém descoberto status de semi-deus (seu pai é Poseidon), ele se descobre em meio a uma batalha entre os grandiosos habitantes do Monte Olimpo. Ele e seus amigos embarcam em uma aventura através do país para encontrar o verdadeiro ladrão de raios, salvar a mãe de Percy e desvendar um mistério mais poderoso que os próprios deuses.



  Dislexia e Transtorno do déficit de atenção. Era o que todos os médicos diagnosticavam ser o problema para a falta de atenção/concentração de Percy. A Academia Yancy uma escola especial para crianças problemáticas, seria a sexta escola em seis anos na qual o garoto estudava, ou pelo menos frequentava.

  Filho de Sally Jackson, foi criado com muito esforço por sua adorável mãe, que, depois de "abandonada pelo pai desconhecido" de Percy, casou-se com Gabe Ugliano, um inútil que a maltratava fisicamente e psicologicamente, além de trata-la como uma escrava.

  No colégio, mais problemas. Percy não conseguia se concentrar nos assuntos e sempre estava correndo risco nas matérias. Em uma visita de campo do colégio com seu amigo Grover Underwood é que a aventura começa. Sua então professora de Álgebra, Sra. Dodds, tenta mata-lo porém sem sucesso, já que a caneta-espada (?) do seu professor Brunner estava lá para salva-lo. Mas por que um professor cadeirante teria uma caneta-espada? E, afina, porque a professora (que não era professora) queria matá-lo? Após "livrar-se" da professora, todos agem como se nada houvesse acontecido, deixando o garoto totalmente perdido e confuso.

  Engana-se quem acredita que não existe amor a primeira vista. Pois foi exatamente o que aconteceu quando li pela primeira vez 'O Ladrão de Raios'. De forma simples, emocionante e "objetiva", Riordan conseguiu redefinir os conceitos sobre a mitologia grega adequando-os ao mundo moderno. Um exemplo prático disso é o olimpo estar situado no sescentésimo andar do Empire States.
— Você esteve no Olimpo — Alguns de nós, campistas de ano inteiro... Luke, Clarisse, eu e poucos outros... Fizemos uma excursão durante o solstício de inverno. É quando os deuses fazem sua grande assembléia anual.
— Mas... Como chegou lá?
— Pela Ferrovia de Long Island, é claro. Você desce na Estação Penn. Empire State, seiscentésimo andar. — Com certeza ele sabia disso. — Você é nova-iorquino, certo?
— Ah, com certeza. – Até onde eu sabia, havia apenas cento e dois andares no Empire State, mas decidi não comentar sobre isso.
Parte de um diálogo entre Annabeth Chase e Percy, página 107
 Enfrentar um minotauro, descobrir a verdadeira identidade de seu melhor amigo e de seu professor, conhecer Annabeth Chase (filha de Atena) no Acampamento Meio-Sangue (para aqueles meio humano, meio deus) tomar de volta o raio roubado e outras grandes missões e descobertas, seriam apenas a introdução do que estava reservado para Percy (sem precisar de Oráculo para descobrir isso).

  Rick Riordan conseguiu criar uma aventura e tanto. Mistérios e reviravoltas marcam o livro de iniciação da série Os Olimpianos. Annabeth, Grover e Percy tornaram-se mais um trio de "heróis" no meio da literatura infanto-juvenil à conquistar o leitor. E o que falar do vilão? Tão bem formulado que causa um misto de raiva com surpresa ao descobri-lo. Sim, PJ está, definitivamente entre os meus livros favoritos.

Série Percy Jackson e os Olimpianos:
  1. O Ladrão de Raios
  2. O Mar de Monstros
  3. A Maldição do Titã
  4. A Batalha do Labirinto
  5. O Último Olimpiano

2 de outubro de 2012

Resenha: O Hobbit



Título/Título Original: O Hobbit (The Hobbit)
Editora: Martins Fontes
Autor: JRR Tolkien
ISBN: 85-336-0881-0
Ano de Lançamento: 1937
Ano da Edição: 1998
Número de páginas: 320
Sinopse: Bilbo Bolseiro é um hobbit que leva uma vida confortável e sem ambições, raramente aventurando-se para além de sua despensa ou sua adega. Mas seu contentamento é perturbado quando Gandalf, o mago, e uma companhia de anões batem em sua porta e levam-no para uma expedição. Eles têm um plano para roubar o tesouro guardado por Smaug, o magnífico  um grande e perigoso dragão. Bilbo reluta muito em participar da aventura, mas acaba surpreendendo até a si mesmo com sua esperteza e sua habilidade como ladrão!
O livro de Tolkien como a própria sinopse descreve, conta a história de Bilbo Bolseiro (sim, aquele mesmo, tio de Frodo Bolseiro, protagonista na trilogia do "Senhor dos Anéis" escrita pelo mesmo autor), filho de Bungo Bolseiro e Beladona Tûk. É um hobbit muito respeitado pela vizinhança não apenas por ser rico mas também por nunca ter tido nenhuma aventura ou qualquer feito inesperado (até então).

Até que um dia, o grande Gandalf aparece em sua porta acompanhado de mais 13 anões ( Bifur, Bofur, Bombur, Thorin, Dwalin, Balin, Kili, Fili, Dorin, Nori, Gloin, Ori e Oin) convocando-o para uma perigosa expedição: atravessar as Montanhas Sombrias e roubar (ou seria tomar de volta?) o tesouro guardado por Smaug, um dragão que saqueou o reino dos anões do avô de Thorin há muito tempo e desde então protege esse vasto tesouro.

Para o mago a presença de um hobbit na missão era imprescindível, não só pela sua descrição mas também para preparar o povo para os tempos sombrios que viriam a chegar. Gandalf apresenta-lhe um mapa e o indica a ser o "ladrão" do grupo, o que não gera agrado aos anões. Irritado com a falta de confiança e ridicularização dos "menores", o Hobbit resolve integrar a equipe. 

Quando, em meio a uma fuga Bilbo termina se separando dos demais e indo parar num mundo subterrâneo, ele termina encontrando um misterioso anel e em seguida encontra Gollum, uma criatura estranha que vive presa ali. 

"[...] Mas os números da sorte nem sempre são os sorteados."
Smaug, página 217
Outro ponto alto é a "Batalha dos Cinco Exércitos" (entre Humanos, Anões, Elfos, Orcs e Wargs), mas não poderei me aprofundar devido aos spoilers referentes a alguns fatos importantes que nesse instante da história já haviam acontecido.

Em meio a Orcs, Trolls, Wargs, Aranhas gigantes, Elfos da Floresta e outros seres misticos, Tolkien conseguiu de forma eximia descrever todas as caracteristicas presentes no mundo criado por ele e que daria inicio a uma das maiores obras da literatura: O Senhor dos Anéis, tendo o primeiro livro publicado 16 anos depois. Sem mais delongas, se você curte a história que ganhou três adaptações cinematográficas multi-premiada no Oscar, indico e muito "O Hobbit", lembrando que dia 14 de dezembro o mesmo irá estrear nas telonas.

Avaliação:
Revisado em 17/02/2013
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...